Livros Grandes Vidas Portuguesas

Rosa Ramalho Fui Eu, Quem É que Havia de Ser?

Rita Canas Mendes, Sebastião Peixoto,

«A vida e a obra de Rosa Ramalho estão envoltas em mistério logo desde o início. Por exemplo, Ramalho não era o seu verdadeiro apelido, e sim uma alcunha herdada do pai (a mãe deste costumava dizer-lhe que se sentasse à sombra dos ramalhos, uns ramos frondosos que haveria junto a casa). Amenina franzina que nasceu em Galegos de São Martinho no dia 14 de agosto de 1888 chamava-se, isso sim, Rosa Barbosa Lopes.

Conta-se que a própria só conheceu o seu nome completo aos 82 anos, quando pela primeira vez foi fazer um documento de identificação, mas entre o seu nascimento e esse instante muita coisa aconteceu. (…)

Em julho de 1956, a barrista estava na sua banca na feira de Paranhos, nos arredores do Porto, quando um jovem se aproximou e começou a admirar a mercadoria. Conta-se que ele, olhando muito para um lagarto, apontou para o dito e perguntou: «Quem fez esta peça?» Ao que Rosa respondeu prontamente: «Fui eu, quem é que havia de ser?» A isto seguiu-se nova pergunta: «E como é que o fez?» Vindo logo a resposta: «Com as mãos, como é que havia de ser? (…) Afinal, aquele não era um cliente qualquer, chamava-se António Quadros e era pintor e professor-assistente na Faculdade de Belas-Artes do Porto. Naquele dia, com aquela troca de palavras, um artista reconheceu que estava diante de outro artista.»

Texto: Rita Canas Mendes 

Ilustrações: Sebastião Peixoto 

Recomendado pelo Plano Nacional de Leitura.

  • B2C
€9,90 €9,90 €11,00 (10%) ( / )
- +

Detalhes

Detalhes
Código:
1025437
Autor:
Rita Canas Mendes, Sebastião Peixoto,
Coleção:
Grandes Vidas Portuguesas
Tema:
Narrativa Ficção e Crónicas
Data de Lançamento:
Novembro de 2022
ISBN:
9789722730198
Editora:
N/A
Idioma:
N/A
Número de Páginas:
58
Peso:
258 g
Dimensões:
N/A
Acabamento:
N/A